Relação de módulos linha Fiat Sintomas do veiculo: Alternância da marcha lenta ou irregular ao ser inserida alguma carga no motor, motor apaga, pedal do freio duro, A/C não aciona em marcha lenta ou buracos na retomada.



• Uno Mille 1.0 EP (G7.11 LC) Módulos já corrigidos o software 50007645 (este é o módulo atual de reposição).         



• Uno Mille 1.0 SX (SPI 96 a 99) Módulos com erro de software (oscilação da marcha lenta) G7 10B 010 /011 /012 /013 Nº: 50012180 e 50009390 Módulos já corrigidos o software G7 10B /014 Nº: 50013998 e 50016331 



• Uno Mille 1.0 EX (1G7) Módulos com erro de software (oscilação da marcha lenta) 50009390 e 50012180 Módulos já corrigidos o software 50013998



• Pálio 1.0 MPI IAW 1G7 (96 a 00) Sintomas: alternância da marcha lenta ou irregular ao ser inserida alguma carga no motor, motor apaga, pedal do freio duro, A/C não aciona em marcha lenta ou buracos na retomada. Módulos com erro de software 46474049, 46478936, 46522243, 64515146, 46515246, 46522246 ou 46522250. Módulos já corrigidos o software 46530990, 46747522 ou 46768046 (Siena 1.0 com 6a marcha após 1999). 46782708 (este é o módulo atual de reposição para todos os Pálios 1.0).



• Pálio e Fiorino 1.5 MPI IAW 1G7 (96 a 00) Sintomas: alternância da marcha lenta ou irregular ao ser inserida alguma carga no motor, motor apaga, pedal do freio duro, A/C não aciona em marcha lenta ou buracos na retomada. Módulos com erro de software 50011384/...684, 46463856, 46467835, 46481775, 46515241, 46521107, 50009514 ou 50012029. Módulos já corrigidos o software 46747524; 46522251 (este é o módulo atual de reposição).



• Pálio 1.6 16V IAW 1AB (96 a 99) Sintomas: alternância da marcha lenta ou irregular. Módulos com erro de software 46471340, 46474048 e 46475014. Módulos já corrigidos o software 46481486;



• Tempra 2.0 16 V SX e HLX (G7.25) Módulos já corrigidos o software 50009213 (este é o módulo atual de reposição).

Importante: 1) Aguardar ± 12 horas com os cabos da bateria, ou a Ecm Desligados. 2) Instalar a Nova Unidade ECM. 3) Dar partida ao Motor, com todos os periféricos desligados (Farol, Rádio etc) 4) Não acelerar o motor. 5) Esperar até que o Eletro-Ventilador ligue no mínimo 3 vezes.


-Modelo: FIAT com sistema VENICE (Diversos) Sem comunicação com aparelhos de diagnóstico. Análise: Sem comunicação com aparelhos de diagnóstico. Causa: O diagnóstico do sistema de injeção realizado com o scanner, não indicou qualquer anomalia elétrica ou eletrônica. Também, na análise mecânica efetuada nada de irregular foi encontrado. No diagnóstico do sistema de carga e partida realizado com o Volt/amperímetro encontramos o motivo do problema na bateria do veículo, cuja tensão caia muito quando a partida era dada. Essa queda acentuada de tensão comprometia o funcionamento do módulo ECM não permitindo o perfeito controle da marcha lenta. Solução: Foi trocada a bateria e o veículo passou a funcionar perfeitamente bem.


-Modelo: Fiat Marea 2.0 (Sistema Bosch Motronic M 2.10.4) Motor não dá partida Análise: O motor desse veículo, após serviço de cabeçote por ter quebrado a correia dentada, não partia de forma alguma. As verificações usuais de pressão de combustível, centelha nas velas, pulsos dos injetores e sincronismo de correia foram feitas e não apresentavam qualquer irregularidade. Causa: Removido a tampa dos eixos comando e girando o motor lentamente com as mãos, notou-se que quando os pistões subiam em compressão as válvulas de descarga se abriam. Como a montagem da correia dentada não apresentava problema no seu sincronismo desconfiou-se do comando de válvulas. E neles estavam a causa do motor não partir. A retífica ao montá-los inverteu suas posições, colocando o comando vermelho (escapamento) na admissão e o amarelo (admissão) no escapamento. Solução: Após a remoção dos eixos comandos, e a correta montagem, o motor voltou a partir e funcionar bem, novamente.




-Modelo: Fiat Pálio 1.0 (Sistema Magneti Marelli 1G7) Motor sem força Análise: O motor do veículo não respondia às acelerações. Causa: Durante os testes com o scanner, no modo contínuo, observou-se que os valores de pressão do coletor e o tempo de injeção estavam abaixo da faixa especificada para o sistema. Verificou-se, então, o sincronismo mecânico e mediu-se também, a compressão dos cilindros, encontrando tudo em ordem. Utilizando-se de uma bomba de vácuo, observou-se (com a ajuda de uma tabela) que o sensor não correspondia com o que, nela, estava especificado. Solução: O sensor de pressão do coletor (MAP) foi substituído e o problema resolvido definitivamente.


Modelo: Fiat Pálio 1.0 (Sistema Magneti Marelli 1G7) Sensor de temperatura da água Quando houver defeitos no sensor de temperatura da água, poderá provocar vários sintomas. Os mais comuns são: Motor acelerado. Lâmpada de anomalias acende (intermitentemente) Dificuldade para pegar, principalmente motor quente Veículo não funciona (esporádico) Estouros pelo coletor de admissão. Os sensores de fabricação MTE anteriores a 7 K saíram com problemas de fabricação, com defeito de isolamento interno. Esses sensores devem ser substituídos por outros de fabricação posterior a 7 K. 7 = Ano de fabricação = 1997 K = Mês de fabricação = Novembro de 1997



Veículo custa a pegar quando fica tempo parado, principalmente de um dia para o outro. Motivo: Interno ao tubo distribuidor que é confeccionado alumínio recolato existe um tubo plástico para evitar turbulências do combustível que provocaria bolhas de ar e, conseqüentemente, falhas no motor. Uma pequena rachadura no tubo plástico, fazia com que lentamente o sistema despressurizasse e se ficasse um tempo longo sem funcionar o veículo no momento da partida tinha que insistir muito para que o veículo funcionasse.


 

REDE / OFICINAS

Posso Ajudar?


Lique ou fale conosco pelo WhatsApp
(11) 2097-8440 / (11) 95555-5606